Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)

ZARC: o que é, importância, como consultar e quais os riscos você consegue minimizar na sua lavoura ao seguir o ZARC.

Você sabia que alguns problemas da sua lavoura podem estar relacionados à época de plantio?

Riscos de estiagem e geadas, durante o desenvolvimento da cultura, podem ser minimizados se a época de plantio for a adequada para a sua região.

Além da época de plantio correta, o uso de cultivares adaptadas a sua região também é um fator que minimiza os riscos de queda de produtividade.

Mas, você sabe onde procurar essas épocas de plantio e cultivares adaptadas ao seu município?

É por isso que hoje vou falar para vocês sobre o ZARC.

O que é Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)?

O ZARC é um instrumento de política agrícola e gestão de riscos na agricultura.

O objetivo do ZARC é reduzir os riscos relacionados aos fenômenos climáticos adversos.

Portanto, ao consultar o ZARC você vai identificar a melhor época de plantio das culturas, nos diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares.

O Programa Nacional de Zoneamento Agrícola de Risco Climático é regido pelo Decreto Nº 9.841/2019.

Como são feitos os estudos que o ZARC utiliza?

Os estudos de ZARC analisam parâmetros de clima, solo e ciclos de cultivares.

Estes estudos são feitos a partir de uma metodologia validada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e adotada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Com estes dados são quantificados os riscos climáticos envolvidos na condução das lavouras que podem ocasionar perdas na produção.

A primeira vez em que foi publicado o ZARC, foi para a cultura do trigo no ano de 1996.

Atualmente, tem-se estudos para todos os estados brasileiros em 40 culturas.

Onde encontrar o ZARC e como consultar?

Você pode consultar o ZARC neste link. No final do link você escolherá para qual estado deseja fazer a consulta.

Veja que o ZARC considera três tipos de solos, que são agrupados de acordo com a capacidade de retenção de água:

  • arenoso (Tipo 1);
  • textura média (Tipo 2);
  • argiloso (Tipo 3).

Você também encontrará as cultivares indicadas para a sua região. Lembrando que todas elas estão no Registro Nacional de Cultivares (RNC).

Com isso, o ZARC possui uma tabela de municípios. Nela você verá uma relação das cidades indicadas para o plantio da cultura no estado, os períodos de plantio (início e fim) para cada município, em três níveis de risco (20%, 30%, 40%), por tipo de solo e por grupo de cultivar.

Para exemplificar melhor a importância do ZARC, vou te mostrar com exemplos para a cultura do milho.

ZARC para o milho

Para uma boa produtividade do milho alguns fatores são essenciais como:

  • disponibilidade de água;
  • interceptação de radiação solar pelo dossel;
  • eficiência metabólica;
  • translocação de fotossintatos para os grãos.

Em uma lavoura de milho onde não há irrigação, a disponibilidade de água para a cultura vai depender da precipitação na região, da época de plantio e da quantidade de água disponível no solo.

A quantidade de água disponível também varia para cada tipo de solo, por exemplo, um solo mais arenoso, pouco profundo ou, ainda com baixo teor de matéria orgânica (M.O.), geralmente apresenta menor capacidade de fornecimento de água para as plantas.

Também sabe-se que cada cultura tem uma fase crítica, na qual se houver déficit hídrico haverá redução na produtividade.

Para a cultura do milho a fase crítica é durante o enchimento de grãos.

Portanto para um bom desenvolvimento da lavoura de milho e, consequentemente uma boa produtividade será preciso:

  • 500 a 800 mm de água distribuídos durante o desenvolvimento do milho;
  • temperatura média diária > 15ºC, livres de geadas;
  • temperatura média noturna: > 12,8ºC e < 25ºC;
  • temperatura no período próximo e durante o florescimento, entre 15 a 30ºC e ausência de déficit hídrico.

Neste momento é que entra a importância do ZARC. Sabendo quanto de água o milho precisa, qual época não pode faltar e quais as melhores temperaturas durante o seu desenvolvimento, o ZARC irá lhe mostrar os municípios aptos para plantar milho e os períodos de plantio com menor risco climático para a cultura no Estado.

Considerando a precipitação e a temperatura, o ZARC vai fornecer as datas de plantio por município de acordo com o ciclo e fase fenológica da cultura.

No caso do milho o ZARC, os comportamentos das cultivares são separados em Grupos I, II e III.

Você pode ver na tabela o ciclo médio de cada grupo e a duração de cada fase de desenvolvimento do milho.

  • Fase I: germinação – emergência;
  • Fase II: crescimento – desenvolvimento;
  • Fase III: florescimento – enchimento de Grãos;
  • Fase IV: maturação fisiológica – colheita.

A tabela abaixo mostra os grupos, o ciclo médio e a duração de cada fase de desenvolvimento do milho.

Grupos

Ciclo médio (dias) Variação de ciclo considerada (dias) Fase I Fase II Fase III Fase IV

Grupo I

100

< 110

15 35 30 20

Grupo II

120

110 a 130 15 45 40

20

Grupo III 140

> 130

15 55 50

20

 

Você pode consultar as cultivares de cada grupo no site do MAPA.

O ZARC também leva em consideração o coeficiente de cultura e a reserva útil de água no solo.

A reserva de água no solo considera a profundidade efetiva das raízes, que no caso do milho é de 0,45 m ou 45 cm. E, também a Água Disponível (AD) dos solos:

  • Tipo 1: solo de textura arenosa, com capacidade de armazenamento de água total de até 30 mm;
  • Tipo 2: solo de textura média, com capacidade de armazenamento de água total de até 47 mm;
  • Tipo 3: solo de textura argilosa, com capacidade de armazenamento de água total de até 72 mm.

Com estes dados o ZARC fornece os índices de satisfação da necessidade de água (ISNA).

ISNA =  evapotranspiração real (ETr)

evapotranspiração máxima (ETm)

Veja na tabela abaixo o ISNA para a fase 1 e 3 na cultura do milho.

Sistema

Safra Fases críticas (ISNA)

Fase 1

Fase 3

Milho solteiro

1ª safra (principal)

0,6

0,55

2ª safra  ≥ 0,6

≥ 0,5

 

Considerando todos estes fatores, o ZARC vai te dar qual a melhor época de plantio para a cultivar na sua região.

Veja na tabela abaixo o exemplo para a cidade de Londrina, no Paraná.

Exemplo: caso você deseja plantar uma cultivar do grupo I (ciclo médio de 100 dias), na cidade de Londrina e, na sua propriedade você tiver um solo do tipo 1 (arenoso), veja que para o menor risco (20%), a melhor época de plantio é de 11 a 20 de dezembro (número 35 na tabela).

Períodos de semeaduras para cultivares do grupo I

Solo 1

Solo 2

Solo 3

Risco de 20%

Risco de 30% Risco de 40% Risco de 20% Risco de 30% Risco de 40% Risco de 20% Risco de 30%

Risco de 40%

Milho primeira safra

35

30 a 34 + 36 26 a 29 30 a 36 25 a 29 22 a 24 25 a 36 24

22 a 23

Milho segunda safra

36 1 2 a 9 36 a 1 2 a 9 36 a 8 9

 

Tabela de períodos de plantio: indica a época para o início da semeadura por decênios (períodos de dez dias).

De 1° a 10 de janeiro é o primeiro decênio.

De 11 a 20 de janeiro, o segundo.

E assim sucedem-se os decênios até o último do ano (o “período 36”, de 21 a 31 de dezembro). Veja na tabela abaixo:

Vamos ver outro exemplo:

Caso você deseje plantar uma cultivar de milho do grupo 1 (ciclo médio de 100 dias), em Londrina (PR), e na sua propriedade o solo é classificado como do grupo 3 (argiloso). Observe pela tabela que a época adequada de plantio é 1 de setembro até 31 de dezembro, para o risco de 20% (25 a 36 na tabela).

Você pode encontrar as outras tabelas para os outros grupos de cultivares neste link.

Veja que estes exemplos são para milho de primeira safra, mas no site do MAPA você também irá encontrar o ZARC para milho de segunda safra e milho consorciado com braquiária.

Para o milho de segunda safra, por exemplo, o ciclo e fases fenológicas são divididos em:

  • Fase I – Germinação/Emergência;
  • Fase II – Crescimento/Desenvolvimento;
  • Fase III – Florescimento/Enchimento de Grãos;
  • Fase IV – Maturação.

Já, as cultivares de milho foram classificadas em:

  • Grupo I (n < 110 dias);
  • Grupo II (110 dias ≤ n ≤ 140 dias);

n representa o número de dias da emergência à maturação fisiológica.

Veja pelas tabelas que caso você deseje plantar uma cultivar de milho do Grupo I em Londrina (PR), durante a segunda safra, e se você tiver na sua propriedade um solo argiloso (solo 3), adotando um risco de 30%, a época indicada de semeadura é de 21 a 31 de março. Já, para um risco de 20%, a data fica entre 21 de dezembro a 20 de março.

Seguindo o ZARC, você conseguirá reduzir as perdas por condições climáticas adversas, pois você consegue minimizar o risco de ocorrer estiagem ou geadas durante as fases críticas da cultura.

Conclusão

Os riscos de estiagem e geadas em épocas críticas de desenvolvimento para as culturas, podem ser minimizados seguindo o ZARC.

O ZARC fornece as melhores datas de plantio de acordo com o solo, a cultivar, disponibilidade de água e temperaturas de cada município.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre zoneamento agrícola? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Giraldeli. Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar), Doutora em Fitotecnia (USP) e especialista em Agronegócios. Atualmente Professora da Colaboradora na UEL.

Clique no site da Conecta Sementes para saber mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *