Nascimento das sementes: Principais indicadores para avaliação.

germinação do milho

Os grandes agricultores ficam sempre de olho nos indicadores para a avaliação de nascimento das sementes. Mas você que está iniciando nessa área, conhece bem esses métodos? Essas avaliações são para medir o potencial de germinação de um lote de sementes, por exemplo. 

Dessa maneira, é possível comparar a qualidade de diferentes lotes, bem como também estimar o valor para que essas sementes possam germinar no campo. Afinal, normalmente, quando essa análise é feita somente em solo do campo não é satisfatória. Isso em função das condições ambientais.

Portanto, muitas sementes são analisadas em laboratório. Dessa forma, os fatores externos são altamente controlados, permitindo uma germinação mais regular. Continue acompanhando o posto e saiba mais sobre o nascimento das sementes. Boa leitura!

Quais são as sementes não germinadas?

germinação de sementes

Para saber sobre o nascimento das sementes, é necessário você conhecer quais são as sementes não germinadas. Veja:

Sementes duras

São as sementes que não absorvem a água por um longo período e em sua análise elas ficam com o aspecto de recém-colocadas no substrato. Portanto, não são intumescidas. Esse fenômeno ocorre pela impermeabilidade do tegumento das sementes à água.

Sementes dormentes

Embora seja viável, o nascimento das sementes dormentes não acontece mesmo se colocadas em condições específicas para realização de análises. Algumas delas são capazes de absorver a água e chegam até a intumescer. Porém, não germinam e nem apodrecem.

Sementes mortas

Essas são as sementes que no final de cada análise não germinaram. Portanto, não estão duras, nem dormentes e, normalmente, estão amolecidas, são atacadas por microrganismos e não apresentam nenhum sinal de germinação. 

Os principais materiais para realizar a avaliação do nascimento das sementes

Vamos conhecer agora os materiais para a realização da avaliação do nascimento das sementes. Conheça:

Substrato de papel

Os papéis utilizados como substrato é o mata-borrão, o toalha o de filtro. Esses materiais são escolhidos por terem uma alta capacidade de absorver e reter a água para que ela seja suficiente e assegure a umidade para as sementes.  

Além disso, o papel precisa ter uma estrutura aberta e porosa, ser isento de detritos ou impurezas para que as análises não sejam afetadas. Sendo assim, é preciso que não haja fungos ou bactérias que interfiram no crescimento ou na avaliação das sementes. 

Para testes com papéis, as sementes certas são as sensíveis às substâncias tóxicas.

Substrato de areia

A areia deve ser razoavelmente uniforme e isenta de partículas muito pequenas ou grandes demais. É recomendada a padronização do tamanho, de modo que a maioria das partículas passe através de uma peneira de orifícios de 0,8mm de malha e fique retida sobre outra de orifício de 0,05mm. 

A areia deve estar livre de sementes, fungos, bactérias ou substâncias tóxicas, que possam interferir no nascimento das sementes em teste, no crescimento e na avaliação das plântulas. 

Germinadores

Embora bastante variáveis quanto ao tamanho, sistema empregado para a acomodação das amostras, dispositivos adotados para o controle de temperatura, luz, umidade relativa do ar interno e de outros detalhes. Os germinadores mais utilizados para a análise do nascimento das sementes são:

O de câmara

Os germinadores deste tipo são uma câmara com paredes duplas, adequadamente isoladas por uma camada de ar ou de material isolante. Afinal, o intuito é diminuir as variações internas de temperaturas, e equipada com um conjunto de bandejas ou outro tipo de suporte, onde as amostras são colocadas para germinar. 

O fundo do germinador é feito de modo a formar um depósito para ser colocada a água, a qual deve ser mantida em nível adequado. Os germinadores de câmara mais simples e possuem apenas sistema de aquecimento, só podendo ser regulados à temperatura igual ou superior a do ambiente. 

Os equipamentos mais modernos são providos de sistemas que possibilitam não só o aquecimento e a refrigeração da água, mas também, a circulação da umidade no interior da câmara. Entretanto, alguns possibilitam ainda o controle do fotoperíodo e do termoperíodo.

Às vezes, a umidade relativa interna do germinador não é suficiente e neste caso, é necessário que os substratos que contenham as sementes sejam envolvidos por recipientes ou materiais resistentes a troca do vapor d’água com o ambiente. 

Se o teste exigir temperaturas alternadas e se o equipamento disponível é capaz de proporcionar apenas temperaturas constantes deve-se transferir as amostras em testes de um germinador para outro, regulado à temperatura diferente, para conseguir o ciclo alternado.

De sala

Este tipo de germinador, cujos princípios de construção e funcionamento são semelhantes ao de câmara, é grande para permitir a entrada de pessoas. As amostras podem ser colocadas em prateleiras laterais ao longo da passagem central, ou alternativamente sobre carrinhos que são levados para dentro da sala, aí permanecendo por todo o período do teste. 

Devem ser instalados ventiladores para reduzir a possibilidade de estratificação da temperatura, bem como umidificadores para manter um alto grau de umidade relativa, quando os testes não forem colocados em recipientes à prova de umidade.

Sala x câmara

Outra modificação é a combinação dos germinadores de sala com o de câmara. A sala é construída com isolamento térmico e o ambiente é mantido por meio de ar condicionado ou outro sistema de refrigeração, a uma temperatura constante correspondente a mais baixa normalmente usada nos testes de germinação. 

Germinadores dotados apenas de aquecimento elétrico, são colocados nessa sala e individualmente regulados à temperatura desejada, por meio de termostato. Tanto temperaturas constantes como alternadas podem ser obtidas com este tipo de combinação.

Os contadores de sementes

Existem dois tipos de contadores de sementes que são frequentemente usados: placas perfuradas e contadores a vácuo. Sempre que possível, as sementes devem ser contadas com o uso desses contadores, pois facilita a operação em si e a distribuição, ao acaso, das sementes sobre o substrato.

Dentro dessa modalidade, há vários tipos que ajudam o agricultor no mesmo da avaliação do nascimento das sementes.

Você gostou de saber mais sobre esse processo de avaliação e quais os indicadores para o nascimento das sementes?

Deixe o seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *