Importância da cobertura de solo e adubos verdes

Culturas de cobertura de solos: veja os benefícios, quais plantas são as mais utilizadas e como utilizá-las na sua propriedade.

Você utiliza culturas de cobertura na sua propriedade?

Se você não utiliza, acompanhe esse texto que vou te mostrar as inúmeras vantagens dessa prática de manejo.

Caso você já tenha implementado essa estratégia, continue lendo para mais dicas.

O que são culturas de cobertura?

As culturas de coberturas são plantas que têm o objetivo de proteger o solo.

Alguns dos benefícios das culturas de cobertura são:

  • o solo coberto garante uma melhor infiltração de água;
  • menor risco de erosão;
  • mantém a umidade no solo;
  • ajuda no controle de plantas daninhas;
  • protege o solo das variações de temperatura;
  • reduz custo de produção;
  • melhora das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo.

As culturas de cobertura protegem o solo contra a erosão e lixiviação dos nutrientes.

Muitas culturas de cobertura também são utilizadas com o objetivo de produção de feno, silagem, pastoreio, produção de grãos e para fornecer palha para o sistema de plantio direto.

As leguminosas, quando utilizadas como culturas de cobertura, são importantes fixadoras de nitrogênio. Já as gramíneas como o milheto e as braquiárias tem uma ótima capacidade de reciclar os nutrientes.

Culturas de cobertura ajudam a melhorar as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, pois ajudam a aumentar o teor de matéria orgânica do solo.

A matéria orgânica é importante, pois ajuda a reter maior quantidade de água, além de estruturar melhor o solo.

No manejo de plantas daninhas as culturas de cobertura são essenciais, pois um solo coberto não deixa a radiação solar chegar ao solo, o que dificulta a germinação de plantas daninhas de sementes fotoblásticas positivas.

Um solo em pousio, permite que as plantas daninhas cresçam, se desenvolvam, produzam sementes e se incorporem ao banco de sementes. Para o controle de plantas daninhas, o pousio é o pior dos cenários.

Plantas de cobertura também podem produzir compostos alelopáticos que quando liberados no ambiente podem inibir ou atrapalhar a germinação e o desenvolvimento das plantas daninhas.

Um solo coberto também é uma barreira física que limita a incidência de luz. Nesse caso, sementes fotoblásticas positivas e com pouca quantidade de reservas terão maiores dificuldades em germinar e emergir.

Um bom exemplo de cultura de cobertura que auxilia no manejo de plantas daninhas é a Urochloa ruziziensis (capim-braquiária).

Fonte: Informações Agronômicas.

Plantas de cobertura também ajudam no manejo de nematoides. Exemplos de plantas com essa finalidade são as crotalárias: Crotalaria spectabilis e Crotalaria ochroleuca.

Entre as gramíneas mais utilizadas como culturas de cobertura estão a aveia, o milheto, o capim-tanzânia e o capim-mombaça.

Fonte: Informações Agronômicas.

O que é adubação verde?

Adubos verdes são plantas utilizadas com a finalidade de melhoria das condições físicas, químicas e biológicas do solo.

As espécies leguminosas podem se associar a bactérias fixadoras de nitrogênio do ar, transferindo-o para as plantas. Este benefício pode ser obtido com a inoculação de sementes antes do plantio.

A adubação verde durante o inverno é mais comum do que no verão.

Quando a adubação verde é realizada no verão, as altas temperaturas e o maior volume de chuvas permitem alta produção de biomassa pela planta, incorporação de nitrogênio e ciclagem de nutrientes.

O uso de leguminosas como adubo verde no verão pode ser feito em sistemas de rotação de culturas ou ainda em consórcio.

Benefícios dos adubos verdes:

  • produção de altas quantidades de biomassa;
  • fornecem nutrientes pela decomposição e pela fixação biológica de nitrogênio de algumas espécies;
  • maior retenção e melhor infiltração de água no solo;
  • melhoram as propriedades do solo;
  • menor risco de erosão, pois protegem o solo;
  • podem ser utilizadas para fixar nitrogênio;
  • reduzem o uso de fertilizantes nitrogenados;
  • menor custo de produção e menor impacto ambiental;
  • incorporação de matéria orgânica ao solo;
  • proporciona a ciclagem de nutrientes;
  • diversidade de cultivos através da rotação de culturas;
  • ajuda no controle de plantas daninhas;
  • quebra o ciclo de pragas e doenças.

Fonte: Piraí. Carlos et al. (2006).

Como utilizar os adubos verdes?

Os adubos verdes podem ser utilizados em pré-cultivo ou rotação de culturas, em consórcio com outra cultura ou cultivados em faixas.

Pré-cultivo ou rotação de culturas: nesse caso a adubação verde é realizada antes ou depois de uma cultura. O objetivo é melhorar o solo para o próximo cultivo.

Consórcio: nessa opção o adubo verde é plantado junto com a cultura, é feito o corte e o material depositado sobre o solo serve de nutriente para a cultura. Outra opção é o plantio do adubo verde no final do ciclo da cultura, com o objetivo de beneficiar a próxima cultura.

Fonte: Informações Agronômicas.

Cultivo em faixas: nessa opção é feito o cultivo de leguminosas perenes ou semiperenes em faixas, entre os talhões da área. O objetivo é podar os adubos verdes e adubar a cultura.

Fonte: Seprotec.

Quais plantas de cobertura posso plantar?

No verão, a adubação verde pode ser feita com crotalárias, mucunas, feijão-de-porco, guandu e feijão-caupi.

Outras leguminosas que são usadas como culturas de cobertura são: amendoim-forrageiro, calopogônio, galáxia e siratro.

A escolha da espécie vai depender do manejo adotado, da época do ano e do objetivo da cultura de cobertura.

Espécies arbóreas que podem ser utilizadas: gliricídia e eritrina.

Entre as gramíneas: milheto, braquiárias e aveia.

Em pré-cultivos alguns exemplos são: crotalária e berinjela, crotalária e repolho, crotalária e brócolis, crotalária e couve-flor.

Alguns consórcios que podem ser realizados são: quiabo com crotalária, abóbora com guandu, berinjela com feijão-caupi, milho com feijão-de-porco, milho com crotalária e batata-doce com crotalária.

O que considerar na escolha da cultura de cobertura?

Alguns pontos que você deve se atentar na hora da escolha da cultura de cobertura são que ela precisa ser de fácil estabelecimento, ter um rápido crescimento, cobrir bem o solo e produzir massa seca para a semeadura direta.

Além disso, ela não pode ser hospedeira de pragas, doenças e nematoides, principalmente se seu objetivo for quebrar o ciclo para reduzir as infestações.

Algumas culturas de cobertura também podem ser utilizadas para produção de grãos e pastoreio, caso esse seja um dos seus objetivos.

Fonte: Informações Agronômicas.

Conclusão

No texto de hoje você aprendeu mais sobre as culturas de cobertura.

As culturas de cobertura têm muitos benefícios como no incremento de matéria orgânica, controle de plantas daninhas, manejo de nematoides, fixação biológica de nitrogênio.

As plantas de coberturas mais utilizadas são as crotalárias, milheto, aveia, braquiárias, guandu, feijão-de-porco, feijão-caupi, dentre outras.

Um solo coberto protege contra erosão, retém mais água, reduz oscilações bruscas na temperatura, reduz a germinação de plantas daninhas e reduz os custos de produção.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre cobertura de solo e adubos verdes? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Giraldeli. Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar), Doutora em Fitotecnia (USP) e especialista em Agronegócios. Atualmente Professora da Colaboradora na UEL.

Para saber mais sobre a Conecta Sementes, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *