Conheça mais sobre a Soja Intacta RR2 Xtend

Intacta RR2 Xtend: Entenda quais as diferenças dessa nova tecnologia na soja em relação às tecnologias já existentes e, como pode ajudar você no manejo de lagartas e plantas daninhas na cultura da soja.

Em janeiro de 2021, foi aprovado pela União Europeia a importação de sementes de soja com a tecnologia Intacta RR2 Xtend. O uso foi aprovado para alimentação/ração e, já estava aprovado pelo Ministério da Agricultura da China.

A tecnologia Intacta RR2 Xtend foi aprovada pela CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) em março de 2018.

Fonte: CropLife Brasil

A soja Intacta RR2 Xtend é a terceira geração da biotecnologia. Antes dela foram lançadas:

  • Soja com tecnologia RR (Roundup Ready™): primeira geração, lançada em 1998, com tolerância ao herbicida glyphosate;
  • Intacta RR2 PRO®: segunda geração, lançada em 2013, com tolerância ao herbicida glyphosate e com proteção contra lagartas da soja.

A soja Intacta RR2 Xtend conta com várias características para garantir um novo patamar em produtividade como:

  • manejo inteligente;
  • biotecnologia de última geração;
  • genética avançada;
  • alta eficiência contra lagartas;
  • amplo controle de plantas daninhas.

Agora que você entendeu melhor o que é a soja Intacta RR2 Xtend, vou te mostrar o que mudou da segunda para a terceira geração, além de entender mais sobre o controle das plantas daninhas e as lagartas com essa tecnologia.

 

Intacta RR2 Xtend e o manejo de lagartas da soja

Na segunda geração, com a tecnologia Intacta RR2 PRO (proteína Cry1Ac) as lagartas manejadas já eram:

  • broca-das-axilas (Crocidosema aporema);
  • falsa-medideira (Chrysodeixis includens);
  • lagarta-da-maçã (Chloridea virescens);
  • lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis).

Agora, com a terceira geração, com a tecnologia Intacta RR2 Xtend foram adicionadas duas proteínas, a Cry1A.105 e a Cry2Ab2. Assim, além das lagartas anteriores, o controle foi ampliado para a Helicoverpa armigera e a Spodoptera cosmioides.

Chrysodeixis includens nas fases de ovo (a), lagarta (b), pupa (c) e adulto (d) (Fonte: Embrapa)

A lagarta adulta da falsa-medideira consome o limbo foliar, deixando as nervuras da folha intactas, já as lagartas jovens raspam as folhas. Assim, a presença delas é facilmente reconhecida pelo aspecto de folhas rendilhadas. Além disso, elas têm o hábito de atacar o terço mediano e a baixeira da soja.

Já a lagarta-da-soja consome a folha inteira e ataca a parte superior da soja.

A broca-das-axilas forma um cartucho com o trifólio da planta e acaba bloqueando o fluxo de seiva para as folhas. Como as lagartas ficam protegidas dentro do caule,o controle com inseticidas é mais difícil, por isso a tecnologia acaba ajudando a controlá-las.

A lagarta-das-maçãs ataca principalmente nas fases finais do desenvolvimento da soja. Os danos são à flores, vagens e grãos.

Intacta RR2 Xtend e o manejo de plantas daninhas

A tecnologia Intacta RR2 Xtend continua com a tolerância ao herbicida glyphosate e adiciona a tolerância ao dicamba.

A possibilidade do uso do dicamba vai auxiliar os produtores a controlar plantas daninhas resistentes ao glyphosate e a herbicidas inibidores da ALS. Além disso, é uma opção para a rotação de mecanismo de ação.

O dicamba é um herbicida auxínico de ação sistêmica, pós-emergente, do grupo químico do ácido benzóico e possui espectro de controle de plantas daninhas de folhas largas anuais e perenes.

O produto é absorvido pelas folhas e pela raiz, via floema e xilema, e transportado a todas as partes da planta de forma rápida, acumulando-se nas áreas de crescimento ativo, inibindo seu desenvolvimento das plantas daninhas.

Entre as plantas daninhas que o dicamba controla estão:

  • caruru (Amaranthus hybridus, Amaranthus viridis e Amaranthus spinosus);
  • buva (Conyza bonariensis);
  • picão-preto (Bidens pilosa);
  • corda-de-viola (Ipomoea triloba e Ipomoea nil);
  • nabiça (Raphanus raphanistrum);
  • leiteiro (Euphorbia heterophylla);
  • guanxuma (Sida rhombifolia);
  • poaia-branca (Richardia brasiliensis);
  • beldroega (Portulaca oleracea).

Plantas de buva (Conyza spp.). Foto: Arquivo pessoal da autora.

O Brasil hoje conta com 54 casos de biótipos de plantas daninhas resistentes a herbicidas.

Dentre estes casos estão os problemas com buva, caruru, picão-preto e leiteiro resistentes, por isso é muito importante novas estratégias de manejos.

A Tabela abaixo mostra alguns dos casos de resistência no Brasil, no qual o dicamba poderá ajudar no manejo de plantas daninhas resistentes.

Planta daninha Herbicida
Bidens pilosa chlorimuron, imazaquin, imazethapyr, nicosulfuron e pyrithiobac.
Euphorbia heterophylla chlorimuron, cloransulam, imazamox, imazaquin e imazethapyr
Bidens subalternans chlorimuron, imazethapyr e nicosulfuron
Euphorbia heterophylla acifluorfen, cloransulam, diclosulam, flumetsulam, flumiclorac, fomesafen, imazethapyr, lactofen, metsulfuron, nicosulfuron e saflufenacil
Conyza bonariensis glyphosate
Conyza canadensis glyphosate
Bidens subalternans atrazine, foramsulfuron e iodosulfuron
Conyza sumatrensis glyphosate
Conyza sumatrensis chlorimuron e glyphosate
Amaranthus retroflexus atrazine, prometryn e trifloxysulfuron
Amaranthus viridis atrazine, prometryn e trifloxysulfuron
Amaranthus retroflexus pyrithiobac e trifloxysulfuron
Amaranthus retroflexus fomesafen
Amaranthus palmeri glyphosate
Amaranthus palmeri chlorimuron, cloransulam, glyphosate e imazethapyr
Bidens pilosa atrazine e imazethapyr
Conyza sumatrensis paraquat
Conyza sumatrensis saflufenacil
Conyza sumatrensis chlorimuron, glyphosate e paraquat
Conyza sumatrensis 2,4-D, diuron, glyphosate, paraquat e saflufenacil
Amaranthus hybridus (syn: quitensis) chlorimuron e glyphosate
Euphorbia heterophylla glyphosate

Uma importante questão sobre o herbicida dicamba, são os casos de deriva muito questionados pelos produtores.

Você já deve ter escutado os termos volatilidade e deriva, mas você sabia que as definições são diferentes?

O termo volatilidade significa o movimento da molécula na forma de vapor para fora do alvo.

Alguns produtos como o dicamba, o clomazone e trifluralin, são conhecidos por terem alta volatilidade, isso porque possuem alta pressão de vapor.

  • dicamba: 1,76 mPa;
  • trifluralin: 9,5 mPa;
  • clomazone: 27 mPa.

Hoje, temos disponível no mercado novas formulações dos herbicidas, que possuem menor volatilidade.

Já o termo deriva, refere-se ao movimento das gotas formadas pelas pontas de pulverização para fora do alvo.

Assim, quanto menores as gotas, maior é a possibilidade de deriva.

Dentre alguns cuidados que você pode ter citamos:

  • usar gotas de pulverização grossas ou ultra grossas;
  • volume de calda acima de 100 L/ha;
  • pontas de pulverização com indução de ar;
  • evitar na mistura de tanque produtos que reduzam o pH da calda;
  • limpeza do circuito hidráulico dos pulverizadores após o uso;
  • respeitar condições meteorológicas: evite aplicar quando a velocidade do vento for maior que 10 km/h, umidade relativa abaixo de 55% e temperaturas acima de 30°C;

Boas práticas agrícolas no manejo de pragas e de plantas daninhas

A tecnologia ajuda a manejar as pragas e as plantas daninhas, mas para isso também temos que realizar as boas práticas agrícolas por meio do manejo integrado.

Para isso é necessário que você utilize em sua propriedade algumas estratégias como:

  • rotação de culturas;
  • inseticidas em pré-plantio;
  • dessecação pré-plantio;
  • herbicidas em pré-emergência;
  • manejo de plantas daninhas na entressafra;
  • tratamento de sementes;
  • rotação de mecanismos de ação de inseticidas e de herbicidas;
  • uso de produtos seletivos aos inimigos naturais;
  • instalação de área de refúgio.

Conclusão

No texto de hoje você viu mais sobre a soja Intacta RR2 Xtend e como ela acrescenta no controle de plantas daninhas e de pragas.

O bom uso das tecnologias precisa ser associado às boas práticas agrícolas como o manejo integrado de plantas daninhas e de pragas.

A tecnologia Intacta RR2 Xtend adiciona a tolerância ao herbicida dicamba, Helicoverpa armigera e Spodoptera cosmioides.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre a tecnologia Intacta RR2 Xtend? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Giraldeli. Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar), Doutora em Fitotecnia (USP) e especialista em Agronegócios. Professora Colaboradora na UEL.

Clique no site da Conecta Sementes para saber mais sobre negociação de sementes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *