Plantas daninhas na produção de sementes

Plantas daninhas em campos de produção de sementes: entenda os riscos, o que fazer para evitar e a importância do controle de sementes nocivas proibidas e toleradas.

Você sabia que existe diferença entre semente para plantio e semente para grão?

A semente para plantio é utilizada para gerar outra planta, por isso é preciso condições rigorosas de produção e certificação, sendo necessário pureza e uniformidade.

Já, a semente para grão é destinada à indústria para produção de alimentos e ração, não sendo preciso certificação e podem ser utilizadas independente da uniformidade.

No texto de hoje vou te mostrar mais sobre o processo de produção de sementes para plantio.

A produção de sementes exige do produtor alta qualidade durante todo o processo de produção.

O produtor que adquire a semente precisa ter a garantia de estar comprando uma semente que irá resultar em plantas sadias e vigorosas, sendo assegurado pela pureza física, genética e varietal.

A escolha por uma semente ruim, que não seja certificada pode comprometer todo o processo produtivo e ocasionar perdas da lavoura e da comercialização do lote de sementes.

Assim, é preciso que o produtor de sementes tenha um controle rígido sobre os fatores que reduzem a qualidade das sementes.

O que é uma semente certificada?

As sementes certificadas têm alta qualidade, que é caracterizada por:

  • Pureza física: ausência de contaminações com outros tipos de sementes de outras culturas, ou de plantas daninhas;
  • Qualidade fisiológica: alta taxa de germinação e uniformidade (vigor);
  • Qualidade sanitária: sementes livres de pragas e doenças.

Quais os fatores que podem reduzir a qualidade da semente?

Muitos fatores podem reduzir a qualidade da semente, dentre eles:

  • escolha da área;
  • adubação;
  • isolamento da lavoura;
  • plantas daninhas;
  • déficit hídrico;
  • época da colheita;
  • danos mecânicos;
  • armazenamento inadequado;
  • tratamentos fitossanitários feitos de forma inadequada.

Como você viu, dentre os fatores que podem reduzir a qualidade das sementes está a presença de plantas daninhas.

As plantas daninhas além de interferir diretamente por meio da competição por água, luz e nutrientes, também interferem indiretamente na redução da qualidade do produto e como hospedeiras de pragas, doenças e nematoides.

A pureza física é uma característica que nos dá a informação do grau de contaminação do lote com sementes de plantas daninhas, outras variedades e material inerte.

Um bom exemplo é o caso da presença de arroz vermelho e/ou preto em uma área, o que não é indicado para instalação de um campo para produção de sementes de arroz.

Plantas-daninhas (2)

Sementes de arroz preto e arroz vermelho. Fonte: Arquivo pessoal da autora.

Em campos de produção de sementes, a presença de plantas daninhas indesejadas pode inviabilizar a comercialização do lote de sementes.

Por isso, a presença de sementes de plantas daninhas em campos de produção de sementes de culturas é dividida em: sementes nocivas toleradas e proibidas.

Sementes nocivas proibidas e toleradas

As sementes nocivas proibidas são aquelas que representam risco para a cultura, por isso não são permitidas no lote de sementes. Entre os exemplos temos:

  • Cuscuta spp: cuscuta, fios-de-ovos (planta parasita);
  • Cyperus rotundus: tiririca-vermelha, junça aromática;
  • Eragrostis plana: capim-anonni;
  • Hippobroma longiflora: arrebenta-boi, arrebenta–cavalo, cega-olho, jasmim-da-itália;
  • Rottboelia exaltata: rabo-de-lagarto, capim-camalote;

Plantas-daninhas (3)

Sementes de Rottboelia exaltata. Fonte: Arquivo pessoal da autora.

  • Rumex acetosella: azedinha, língua-de-vaca;
  • Sorghum halepense: sorgo-de-alepo, capim-massambará;

Plantas-daninhas (4)

Sementes de Sorghum halepense. Fonte: Arquivo pessoal da autora.

  • Wedelia glauca: margarida, margaridão, mal-me-quer.

Sementes de espécies nocivas toleradas são aquelas cuja presença junto às da amostra é permitida, porém dentro de limites máximos. Alguns exemplos de sementes de plantas daninhas toleradas dentro de certos limites são:

  • buva: Conyza bonariensis;
  • capim-amargoso: Digitaria insularis;
  • leiteira: Euphorbia heterophylla;

Plantas-daninhas (1)

Sementes de Euphorbia heterophylla. Fonte: Arquivo pessoal da autora.

  • capim-arroz: Echinochloa colona e Echinochloa crus–galli;
  • trapoeraba: Commelina;
  • fedegoso: Senna obtusifolia e Senna occidentalis.

Soluções para os problemas com plantas daninhas em campos de produção de sementes

Para evitar problemas com plantas daninhas nos campos de produção de sementes, o primeiro passo é a escolha do campo onde será instalada a cultura.

O local de instalação do campo de produção de sementes deve ser livre de contaminações como:

  • patogênica;
  • varietal;
  • genética;
  • física;
  • plantas daninhas.

Por isso, para evitar problemas com plantas daninhas, principalmente aquelas proibidas na sua região, tente não usar estas áreas problemáticas.

Portanto, sempre conheça o histórico da área antes de comprar ou plantar campos de produção de sementes.

Além disso, a descontaminação (depuração) deve ser realizada. Durante este processo é feita a remoção de plantas indesejáveis de um campo para produção de sementes.

A descontaminação é realizada para retirar:

  • espécies indesejáveis que possam polinizar a espécie cultivada;
  • plantas daninhas que são difíceis de controlar e que produzam sementes de difícil separação no beneficiamento;
  • plantas doentes (fonte de contaminação).

Quando fazer as inspeções em campo de produção de sementes?

As inspeções devem ser realizadas nas fases de desenvolvimento da cultura de pré-floração, floração, pós-floração e pré-colheita.

A pré-floração é todo o período de desenvolvimento vegetativo, anterior ao florescimento das plantas.

A fase de floração é quando as flores estão abertas, o estigma receptivo e a antera liberando pólen.

Na pós-floração a receptividade do estigma e a liberação do grão de pólen das anteras já terão parado.

Na pré-colheita a semente se torna mais dura e alcança a maturação fisiológica.

O controle das plantas daninhas é preciso para garantir a pureza das sementes.

Assim, certifique-se de que não haja plantas daninhas até o fechamento das entrelinhas da cultura. Após o sombreamento da entrelinha pela cultura o nível de infestação tende a diminuir, entretanto o monitoramento e controle ainda devem ser realizados até a colheita.

O manejo das plantas daninhas pode ser feito com herbicidas registrados para a cultura aliado ao arranquio das plantas (roguing).

Se você quiser saber mais sobre este tema ou se você é um produtor de sementes, consulte a Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003 que dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas, regulamentado pelo Decreto nº 5.153, de 23 de julho de 2004.

Conclusão

A presença de plantas daninhas em campos de produção de sementes é um dos fatores que pode reduzir a qualidade do produto, até mesmo inviabilizando a comercialização do lote de sementes.

As sementes de plantas daninhas são classificadas em nocivas proibidas e toleradas, consulte a legislação para analisar quais são estas plantas dependendo da cultura que você irá produzir sementes.

O controle de plantas daninhas em campos de produção de sementes geralmente é feito com herbicidas e arranquio manual das plantas.

Estratégias que auxiliam são a escolha da área livre de plantas daninhas, solarização e a descontaminação.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre controle de plantas daninhas em campos de produção de sementes? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Giraldeli. Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar), Doutora em Fitotecnia (USP) e especialista em Agronegócios. Atualmente Professora da Colaboradora na UEL.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *